Conecte-se conosco

EXTRA.SC

“Joares é o primeiro da fila”, garante Esperidião Amin, sobre eleição para governador

Política
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Política

“Joares é o primeiro da fila”, garante Esperidião Amin, sobre eleição para governador

Senador da República esteve em Tubarão esta semana, para participar de encontro com progressistas da região.

Publicidade


Progressistas da região reuniram-se na noite desta quinta-feira (25), no auditório da Amurel, para visualizar a eleição municipal de 2020. O encontro foi liderado pelo senador Esperidião Amin, principal nome do partido em Santa Catarina.

Para o jornalista Matheus Aguiar, da Rádio Bandeirantes, Amin elogiou Joares Ponticelli e garantiu que o prefeito de Tubarão está na linha de frente para uma possível candidatura ao governo, em 2022. “Ele não foi candidato a governador em 2014 porque não quis. E também porque houve uma série de atropelos na equação que ele tinha montado. Mas era o nosso candidato à majoritária. Ele é o primeiro da fila que o partido pode exibir hoje, com muito orgulho”.

Em 2014, Ponticelli foi derrotado na candidatura a vice-governador, na chapa encabeçada por Paulo Bauer (PSDB). Segundo Esperidião, o prefeito lidera a maior cidade administrada por progressistas no estado.

Foto: Divulgação

Após a reunião desta quinta, Esperidião Amin também destacou a possibilidade de empréstimo com o Fonplata, fundo internacional. “Meu orgulho pelo fato de Joares levar o município de Tubarão a esse estágio, de estar habilitado para uma operação financeira como o Fonplata. É como passar em um vestibular muito difícil”. Questionado sobre as ponderações dos vereadores da oposição, que criticaram o financiamento em dólar, rebateu. “A oposição pode fazer isso por má informação ou por inveja”.

Perguntando sobre o que obras como a construção de uma ponte representaria para um governo do seu partido, Amin destacou. “Mais do que a ponte, [é] desenvolver um programa de investimento sustentável, com financiamento internacional. Essa é a marca. Não foi uma ponte que caiu do céu. A reestruturação das finanças do município permitiu que a cidade se habilitasse a essas obras”, concluiu.

*Com informações da Rádio Bandeirantes



Receba as notícias em primeira mão pelo Grupo do EXTRA.SC no WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/Hmfy73b8TDYCHlfbY3HLxj



Publicidade
Continue lendo
To Top