Conecte-se conosco

EXTRA.SC

Unidades prisionais podem deixar de receber novos presos

Segurança
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Foto: Divulgação

Segurança

Unidades prisionais podem deixar de receber novos presos

Um dos motivos listados pelo sindicato é a superlotação. No Presídio Regional de Tubarão, a quantidade de presos está 64% acima da capacidade.

Publicidade


Novos presos podem deixar de ser aceitos nas unidades prisionais de Santa Catarina a partir da próxima semana. A superlotação e a reforma da previdência proposta pelo governo do Estado são os principais motivos da manifestação encabeçada pelo Sindicato dos Policiais Penais e Agentes de Segurança Socioeducativos.

Para se ter uma ideia, o Presídio Regional de Tubarão está com ocupação 64% acima da capacidade. São 666 detentos para 404 vagas. O mesmo ocorre na UPA de Laguna, com 54% a mais de presos – 150 homens em 97 vagas.

Uma assembleia geral está agendada para ocorrer na terça-feira (20), às 14 horas, e se a categoria decidir a paralisação iniciará no mesmo dia. “Será encaminhado um documento com os dados de superlotação e baixo efetivo dos policiais penais aos corregedor geral de execução penal do estado acerca da possibilidade de fechamento das unidades prisionais”, explica o presidente do sindicato, Ferdinando Gregório.

Segundo ele, foram esgotadas todas tentativas de comunicação com o governo do Estado. “Hoje, o sistema penal catarinense é referência nacional graças aos esforços dos policiais penais, que trabalham sob extrema pressão, com efetivo reduzido e baixas condições de trabalho”.

Além de não receber os presos, está prevista a suspensão de audiências judiciais, o cancelamento das escoltas, a restrição a atendimentos dos advogados e o fechamento dos canteiros de trabalho das empresas que atuam dentro dos presídios e penitenciárias.



Receba as notícias em primeira mão pelo Grupo do EXTRA.SC no WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/Hmfy73b8TDYCHlfbY3HLxj



Publicidade
Continue lendo
Publicidade


Em alta



Publicidade
Publicidade
To Top